segunda-feira, 23 de maio de 2016

domingo, 22 de maio de 2016

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Bom dia...


Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos para o céu e rezou, dizendo: “Pai santo, guarda-os em teu nome, o nome que me deste, para que eles sejam um assim como nós somos um. Quando eu estava com eles, guardava-os em teu nome, o nome que me deste. Eu os guardei e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição, para se cumprir a Escritura.
Jo 17, 11b-12 

sábado, 14 de maio de 2016

"Pondus meum amor meus; eo feror, quocumque feror". (Confissões: XXXIII,9)


Traduzindo bem livremente a frase que encabeça este pequeno texto, teríamos o seguinte: "O meu amor é o meu peso (centro de gravidade); ele me leva aonde quer que eu vá". A profunda percepção deste grande padre da Igreja, Santo Agostinho, revela-nos algo do Mistério que cerca nosso mais íntimo: somos seres amantes... A verdadeira realização de nossas existências acontece na busca de viver e sentir o amor. Nisto nos sentimos vivos. Toque da grandiosidade do Mistério Trinitário, que nos antecede, nos acolhe e nos encaminha.
O mesmo Agostinho afirmou: "Ama e faz o que queres, porque se amas corretamente, tudo quanto faças será bom". Assim o amor transmuta-se em realidade aplicável no cotidiano real de nossas vidas. É norma, ética, casa da acolhida, Torah. A experiência de amar e sentir-se amado alicerça o edifício de uma vida que quer se realizar na Verdade. Desviar-se do amor significa perder o centro gravitacional, flutuar na fluidez de uma pseudo-realidade que não se enraíza.
Contudo, amar corretamente; amar como Jesus amou. Nascidos que fomos e continuamos a ser, expulsos dos diversos úteros aconchegantes por lá não mais cabermos e que desde o primeiro momento acabamos por nos apoderar deles como lugar de segurança, esbarramos em nós com diversas forças fragmentadoras, em fomes e faltas que tendem a nos tirar o chão. Fechamentos narcísicos e desagregadores, que acabam por nos distanciar do verdadeiro amor, escondem formas sutis de violência, pois acabam por minar qualquer possibilidade de encontro real com o outro, o diferente, que nos afirma e nos questiona na busca da construção comungante de uma identidade no chão da história.
Viver caminho no amor é, portanto, viver caminhos unificadores de nós mesmos. É caminho de cura interior de nossos traumas e fragmentações. No tempo da vida que nos é dado por Deus, tempo de aprendermos a amar, vivemos realmente na medida em que nós aprendemos a romper as cascas desagregadoras e a nos lançarmos no encontro com um mundo, criatura de Deus, buscando a unicidade possível no amor. A palavra final de Deus sobre cada um de nós, queimadas as "palhas", será a mesma palavra de amor que aprendemos a dar enquanto caminhamos na vida.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Nossa Senhora de Fátima, Rainha da paz!!!






















A primeira, tirada no Santuário de Fátima, 2014. A segunda, em Nazareth, também Portugal em 2014.

Uma xícara de café e um coração...



Em uma xícara de café, encontrei um universo. Para alguns, isto poderia parecer uma loucura, mas foi realmente isso que aconteceu. No fugaz encontro com o líquido fumegante, pude sentir na garganta o ardor de vida de tantas pessoas que trabalharam para que este momento acontecesse. Sem ao menos conhecê-las, participei de um pouquinho de suas vidas e esforços. Veio-me ao coração a memória agradecida de tantos antepassados meus, homens e mulheres imigrantes, que gastaram suas vidas e esforços no cultivo de possibilidades de vida nos morros de café de um Espírito Santo que já não existe mais. Senti Deus...
Pequenos fragmentos que se encontram na mesa da eucaristia da vida. Celebrada em sacramento em cada missa que presido, encontro a presença de tantas vidas que se entregaram como o Cristo nas cruzes cotidianas, sem saber que seu futuro ressoaria naquele momento. Não se trata de nostalgia, se nas cabeças ela for sinônimo de tristeza. Sou invadido por imensa alegria de participar desta beleza da vida; da beleza de uma plenitude que já começa a ser participada aqui.
Aos poucos vou aprendendo a mística das pequenas coisas, dos pequenos gestos, do silêncio. Percebo a graça de uma Trindade que se revela em sua grandeza em coisas tão simples e corriqueiras que tendem a passar despercebida aos olhares cansados e cegos pelo cotidiano massificante. Sinto que meu coração tem o tamanho daquela xícara de café...

-- 
P.e Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

A docilidade da argila...

"Eu quero ser, Jesus amado, como o barro nas mãos do oleiro...."




Sim, somos frágeis. Na lucidez do texto bíblico, pó que retornará ao pó. Para alguns, um arranjo de moléculas que deu certo, e que voltará a se dissolver; nada mais que isto. Utilizando a metáfora do profeta, somos simples vasos. Tomados do pó da terra, trabalhados nos tornamos em argila da carne. Às vezes não tão belos exteriormente, somos vasos que, um dia ou outro, cumprirão seu caminho em meio aos baques da história.


Alguns parariam aí. Mas a beleza da humanidade encontra-se justamente no momento em que, o vaso que somos, torna-se habitação de algo maior. Sustenta este vaso o sopro da vida. Carne, sopro, sentimentos: na intercomunicação destas realidades somos. Plasmados no carinho de um Deus próximo. Que inclusive quis ser vaso, para revelar a verdadeira beleza ali contida.

A água da misericórdia é lançada tantas vezes ao longo do caminho sobre o barro ressequido e rachado que espera por ser refeito. A "poiesia"[1] da vida acontece em meio a tantos refazer, remodelar, ressignificar... Em traços finos das mãos delicadas daquele que conduz o processo.

Um dia o vaso vai ao fogo do definitivo, fica aquilo que ele foi na história do labor de sua construção no diálogo com a mão criadora. Permanece sustentado no amor daquele que o criou. A beleza fica, a sujeira se consome no fogo dos tempos. A docilidade da argila que somos, ao se deixar modelar, revela-se como obra-prima do Eterno-Oleiro. Do mais simples, surge algo que realmente merece permanecer. O crescimento humano acontece justamente no momento em que e argila se faz dócil ao trabalho do Oleiro.

Docilidade: a palavra que permanece, mesmo em meio a um mundo marcado, tantas vezes, pela rigidez dos fechamentos das argilas que não se deixam romper. Docilidade: a palavra do crescimento... Afirmo, sem medo: Felizes os dóceis de espírito, pois amadurecerão para a vida eterna....



[1] Não errei o português (rsrsrs). “Poiesia”, neologismo que utilizo a partir do verbo grego poiésis que significa, dizendo de maneira bem simples, “fazer”, "produzir", “a arte de fazer”.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Criar...



Quero para mim o espírito desta frase,
transformada a forma para a casar com o que eu sou:
Viver não é necessário; o que é necessário é criar.


Fernando Pessoa

terça-feira, 10 de maio de 2016

Marcas...



Hoje o dia teve algo diferente. Logo pela manhã cedo, recebi algumas mensagens de amigos dizendo que estão com saudades, que se lembraram de mim… Isso, para quem está longe de casa/pátria, tem um peso bem significativo. Por mais que eu esteja em casa (comunidade redentorista), cercado de confrades em uma experiência muito bonita de pluralidade cultural, sempre toca lá no fundo do coração aquela nota que, na sinfonia da vida, só poderá ser executada no lugar certo; ponto que agora na pauta está um pouco distante.

Quando pela tarde, abrindo o facebook, vi uma pequena brincadeira no perfil de um amigo carioca. Nisto consistia: "Escreva nos comentários a lembrança da primeira vez que nos encontramos”. Não sou de entrar nessas brincadeiras, mas, desta vez, decidi fazer.

A experiência foi muito interessante e emocionante. Na correria provocada por tantas coisas, nos esquecemos como marcamos as pessoas. Relatos simples de pessoas que há muito não via. Até colegas da faculdade de teologia, que desde aquela época não nos falamos. Alguma coisa ficou, nem se for ao menos uma imagem na memória.

Outros tantos falaram das homilias, cursos, programas de rádio, enfim, da Palavra. Esta que se mostrou nos breves testemunhos muito mais do que junção de letras escritas e fonemas pronunciados, mas de uma postura. A maioria, falou das missas, dos batizados, dos casamentos, dos momentos de oração nas despedidas de entes queridos; isto, para mim que sou padre, faz o coração saltar de alegria. Pude sentir que ali fui, apesar de minhas fraquezas, um pouco pastor.

Enfim, como não sou bobo, sei que, como pecador que sou, também deixei marcas negativas em alguns, mesmo sem saber. Acontece que esses, por tantos motivos, não se manifestariam em uma rede social. Mas tenho consciência que estas marcas estão lá.


Bom, depois desta grande e, ao mesmo tempo, incompleta descrição de sentimentos e fatos, deixo apenas a simples mensagem: Seja consciente de que você deixa marcas na vida dos outros. Não deixe que a correria ou as tantas drogas anestesiantes modernas retirem esta consciência. Viva da melhor forma. Afete e deixe-se afetar. A vida é feita para os permeáveis, para aqueles que querem ser dom e receber dom. 

Missionários...



Cada cristão e cada comunidade é missionária na medida em que porta e vive o Evangelho e testemunha o amor de Deus para com todos, specialmente para com aqueles que se encontram em dificuldades. Sejam missionários do amor e da ternura de Deus! Sejam missionários da misericórdia de Deus, que sempre nos perdoa, sempre nos espera, nos ama tanto!
Papa Francisco

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Esperança



Dias atrás, falando para alguns jovens, aprendi mais uma coisa sobre a esperança: 
"Não se trata de um mero sentimento, uma coisinha que sentimos no coração, mas uma realidade que se configura como força a guiar e formar no caminho de busca do horizonte último de nossa existência, se revelando como sentido em cada ato que realizamos. Tal coisa só pode ser Graça. Daí, virtude teologal".

Bom início de semana!!!

domingo, 8 de maio de 2016

Proximidade



"Há um só Deus que, por sua Palavra e Sabedoria, criou e harmonizou todas as coisas.
Sua Palavra é nosso Senhor Jesus Cristo, que nos últimos tempos se fez homem entre os homens, para unir o fim ao princípio, isto é, o homem a Deus."

Do Tratado contra as heresias, de Santo Irineu
(Source Chretienne 100, 634)

Ascensão do Senhor - 08/05


Evangelho (Lucas 24,46-53)
Aleluia, aleluia, aleluia.
Ide ao mundo, ensinai aos povos todos; convosco estarei, todos os dias, até o fim dos tempos, diz Jesus (Mt 28,19s).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
24 46 Disse Jesus: "Assim é que está escrito, e assim era necessário que Cristo padecesse, mas que ressurgisse dos mortos ao terceiro dia.
47 E que em seu nome se pregasse a penitência e a remissão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.
48 Vós sois as testemunhas de tudo isso.
49 Eu vos mandarei o Prometido de meu Pai; entretanto, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto.
50 Depois os levou para Betânia e, levantando as mãos, os abençoou.
51 Enquanto os abençoava, separou-se deles e foi arrebatado ao céu.
52 Depois de o terem adorado, voltaram para Jerusalém com grande júbilo.
53 E permaneciam no templo, louvando e bendizendo a Deus".
Palavra da Salvação.

Breve Comentário:

A subida de Jesus aos céus marca o início da missão dos apóstolos. A vinda do Paráclito selará esta missão. Faz-se importante perceber que a fala de Jesus não se dirige simplesmente ao alto, ou seja, à sua ascensão que acontece naquele momento, mas leva os discípulos a olharem adiante. Ele, na graça do Espírito Santo, continuará em nós sua Missão, enquanto nós continuamos narradores desta verdade em nossas vidas. O Ressuscitado é presente e nos impulsiona para a vida. Pense nisso... Não fique parado, apenas olhando para o alto; o Senhor está adiante e nos espera! Sigamos, narradores da Vida, da Misericórdia, da Esperança!!!

sábado, 7 de maio de 2016

Lâmpada


"A lâmpada do corpo é o olho: se teu olho for simples, ficarás todo cheio de luz".
Mt 6,22


Começando este dia, façamos esta oração:

Dai-nos, Senhor, a graça de olhos translúcidos. Que não vivamos na cegueira daqueles que te procuram só no alto. Que aprendamos a perceber-vos a cada dia. Sejamos iluminados pela vossa presença que toca o mundo. Que nada nos impeça de viver a realidade. Amém!

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Recado aos amigos distantes...


Meus companheiros amados, 
não vos espero nem chamo: 
porque vou para outros lados. 
Mas é certo que vos amo. 

Nem sempre os que estão mais perto 
fazem melhor companhia. 
Mesmo com sol encoberto, 
todos sabem quando é dia. 

Pelo vosso campo imenso, 
vou cortando meus atalhos. 
Por vosso amor é que penso 
e me dou tantos trabalhos. 

Não condeneis, por enquanto, 
minha rebelde maneira. 
Para libertar-me tanto, 
fico vossa prisioneira. 

Por mais que longe pareça, 
ides na minha lembrança, 
ides na minha cabeça, 
valeis a minha Esperança. 

Cecília Meireles, in 'Poemas (1951)' 

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Il Silenzio


Ascolta, figlio, il silenzio.
È un silenzio ondulato,
un silenzio,
dove scivolano valli ed echi
e che piega le fronti
al suolo.



Frederico Lorca


Sei que Poesia é de difícil tradução, e toda tradução é uma violência, mas me arrisco em traduzir para os amigos de língua portuguesa:

Escuta, filho, o silêncio.
É um silêncio ondulado,
un silêncio,
de onde escorrem vales e ecos
e que inclina (dobra) as frontes
ao chão.