segunda-feira, 27 de julho de 2015

Uma noite produtiva...

Primeiro:

De sobressalto, alguém pergunta:
Você escreve poesias?
Sob o salto, respondo:
Não, escrevo desabafos.
Não tenho rima, métrica ou virtuosidade,
Tenho fé, suor, lágrimas e sorrisos.
Não sou parnasiano, nem romântico, ao menos moderno,
Sou apenas um bobo,
que se rende deslumbrado diante de coisas simples.


Segundo:

Quando os olhos da alma não estão cegos,
quando a voz do coração não jaz rouca,
Há sempre poesia e vida
A querer expandir em nós...