terça-feira, 25 de setembro de 2012

Versículo Bíblico do dia...

"Jesus respondeu: "Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática"."
                                                                                                                             Lc 8,21

--
P.e Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Versículo Bíblico para o seu dia...

"E, sobre tudo isto, revesti-vos do amor, que é o vínculo da perfeição". Col 3,14

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Bíblia: uma hístória de Deus com a humanidade...

Todo povo ou nação que pretenda viver profundamente seu presente e deseje sonhar com um futuro, se compreende radicalmente alicerçado em seu passado, ou seja, em sua história. Uma história que não é mero relato "jornalístico", aquele que se pretende isento, buscando a narrativa de um fato "puro", mas envolve sentimento, pertença, carne, vida... Desta forma podemos entender, de maneira concisa, as Sagradas Escrituras: uma história de amor entre Deus e a humanidade.

De antemão, precisamos compreender que este processo de redação custou muito tempo. Vários redatores, em diversos momento históricos, sentiram-se interpelados pelo amor e pela presença do Senhor em sua vida pessoal e comunitária. Assim, a leitura deste texto, escrito por homens inspirados pela graça divina, deve levar em consideração dois aspectos fundamentais: primeiro, só é possível compreendê-lo como texto sagrado, se ele for recebido pela fé, pois supõe a pertença a uma comunidade, um povo ou nação que se compreenda influenciado por aquelas palavras; depois, sua leitura deve levar em consideração os diversos momentos históricos nos quais aquele texto fora escrito para, assim, perceber a palavra eterna de Deus ali contida.

Digo isto porque, ainda hoje, existem pessoas que insistem em ler a bíblia de maneira fechada, como se fosse uma carta direta e atemporal, recebida como um ditado feito por Deus. Pelo contrário, compreender a bíblia como história, nos insere em um contexto vital profundamente amplo, que inclusive passa a tocar de maneira dinâmica desde as questões mais simples até as mais complexas de nosso cotidiano, pois passamos a compreendê-la no interior de uma relação de amor.

Como toda relação, embora os amantes participem do mesmo amor, as partes vivem-no a partir do lugar que lhe é próprio. O amor é o mesmo, mas a maneira de experimentá-lo ganhará as matizes singulares de cada parte. Na história de Deus com a humanidade, Ele se abaixa para se fazer seu amor compreendido pelo ser humano, contudo, Ele continua a ser Deus. Por sua vez, o homem experimenta este amor no interior de sua humanidade, e continua a ser humano.

Não há fusão: Deus continua a ser Deus e o homem continua a ser homem. Contudo, ambos são enriquecidos pelo amor do qual participam. A esta altura, você deve estar se perguntado: com relação ao ser humano, vá lá que ele cresça e se modifique ao participar do Amor que é o próprio Deus, mas como dizer isto de Deus? A beleza narrada na bíblia consiste justamente nisto, uma vez que Deus se aproxima tanto da humanidade, na encarnação, Ele já não mais quer ser compreendido sem esta relação com a humanidade.

No interior desta relação geradora de história, o homem vai se compreendendo a partir do olhar amoroso de Deus. Como um bebê que aprende a falar ouvindo seu pai, como uma criança que se percebe família ao ouvir sua história ultrapassar seus poucos anos de vida ao percebê-la tocada pela de tantos outros na trama das narrativas familiares, a humanidade vai crescendo e se compreendendo como família de Deus, participante de uma gramática eterna de amor que irrompe no tempo e no espaço, ultrapassando-os até chegar ao seu particular tempo e espaço.

Crescendo nesta gramática eterna do amor, a humanidade torna-se ouvinte da Palavra Eterna contida no falível da palavra humana. A verdade do texto bíblico encontra-se justamente naquilo que ultrapassa a mera palavra e se abre como eternidade narrada. Nada na Bíblia é mero conceito, frio e encaixotado, todavia, tudo é experiência que leva ao sabor da vida degusta e participada ao longo dos anos. Não é um livro de história daqueles que encontramos com suas folhas rotas, perdido nos cantos das bibliotecas, mas um livro da experiência viva daqueles que nos precederam nesta saborosa degustação da vida em Deus.

Esta "biblioteca" de vida degustada não foi ajuntada a esmo. Saiba que este livro bonito que você deve ter em sua casa, neste formato só foi possível bem recentemente, depois da invenção da imprensa. Antes, escritos em material muito mais complexo e caro que o papel moderno, em seu estágio primeiro, normalmente, em papiros ou pergaminhos, os textos foram sendo copiados e trocados entre as comunidades que reconheciam sua fé ali expressa. Aos poucos, foram surgindo as primeiras compilações que, futuramente, deram origem à bíblia como a compreendemos hoje. Desta forma, aos poucos foi se constituindo o que chamamos de cânon bíblico. É importante saber que existem vários outros livros que tratam desta história de Deus com a humanidade, mas que não foram reconhecidos pelas comunidade com expressão de sua fé e que, por isto, estão fora da bíblia. Nós os conhecemos como apócrifos.

Escrita em línguas bem antigas, a bíblia para chegar até às traduções em português e outras línguas modernas, seguiu um caminho bem longo. Os livros do Antigo Testamento foram escritos, basicamente, em três idiomas: hebraico, aramaico e grego. Em época bem próxima ao nascimento de Jesus, conhecemos uma tradução geral em grego, conhecida como septuaginta; empreita realizada, segundo conta-se, por setenta sábios, por isto o nome que leva. O novo testamento foi escrito em grego. A primeira tradução para o latim foi feita por São Jerônimo.

Assim, meu caro amigo, termino este breve que quer ser apenas um convite para que você aprofunde sempre mais sua relação com Deus, através dos textos sagrados. É triste perceber que alguns hoje pretendem um proposta religiosa sem história, na imagem de uma "deus" que só serve para resolver os problemas do hoje. Viver uma espiritualidade profundamente bíblia é, sem sombra de dúvidas, compreender-se inserido em uma história de amor que nos ultrapassa, tanto no passado como no futuro. É saber-se participante deste caminho de Deus com a humanidade, consciente de que Deus nos acompanha e nos ama sempre, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, fazendo conosco história. Aproveite este mês que nossa igreja escolheu para reverenciar a Palavra de Deus para começar um caminho de conhecimento e crescimento das Sagradas Escrituras.