sábado, 30 de abril de 2011

II Domingo da Páscoa

II Domingo da Páscoa


1ª leitura: At 2,42-47: Esta breve leitura dos Atos dos Apóstolos nos apresenta o ideal da vida cristã em comunidade a partir da descrição do que teria sido a comunidade cristã do primeiro século. Alguns autores levantam questões sobre a historicidade desta descrição. Contudo, mais do que levantarmos tais perguntas, é de suma importância fazermos com que nossos caminhos pessoais e comunitários se direcionem nesta direção, buscando a cada dia crescer na unidade com o Cristo, aquele que nos une no seio da Trindade como um só corpo, um só povo, templo da presença de Deus. Disto ocorrerá o crescimento da comunidade, pois é o testemunho daqueles que crêem que provoca os homens para a fé.


2ª leitura: 1Pd 1,3-9: O apóstolo ressalta a profundidade do novo nível de qualidade de vida para o qual Cristo nos chamou em sua entrega de vida que vence a morte. A fé, dom do Espírito do Ressuscitado, é que mantém a comunidade firme na certeza de sua participação no Mistério do Cristo. Mesmo sem terem visto, os cristãos dos séculos permanecem nesta presença do Ressuscitado em Espírito e Verdade.

Evangelho: Jo 20,19-31: Três pontos precisam ser destacados nesta leitura: a aparição do Mestre, o envio dos discípulos e o reconhecimento do Ressuscitado por Tomé. Quanto a aparição, é mister reconhecer que aquele que ressuscitou é o mesmo que fora morto na cruz: "Vede minhas mãos e meus pés.". O acontecido na cruz é marca de reconhecimento da realidade do Cristo. Este mesmo que entregou sua vida na cruz, envia os discípulos na continuidade de sua missão. Eles continuarão nos tempos a realidade salvífica do Mestre, pois, Ele mesmo é quem continua a agir naqueles que o seguem, através do Espírito. Por fim, a importância da fé é ressaltada. A realidade do Cristo não é mais física, mas em Espírito e Verdade. Tomé quis ver a realidade física, mas o mais importante é crer, ou seja, ver com os olhos da fé o profundo da realidade.

Breve reflexão: Nas leituras de hoje podemos ver com profundidade a realidade para a qual a comunidade dos fiéis é chamada. Uma nova qualidade de vida, baseada na unidade fraterna e na continuidade da ação do Mestre se instaura com o Cristo. Do medo e da restrição, a comunidade discipular pós-pascal se vê cheia de alegria e coragem para continuar, no mundo, a presença daquele que a congrega.
A fé e, conseqüentemente o testemunho, surgem com grande força. Uma profunda inter-relação se estabelece: a fé provoca o testemunho, ao mesmo tempo em que o testemunho provoca a fé de novos que irão acreditar. Desta forma a fé se mostra viva e para a vida. Encarnando-se, o Verbo manifestou a Vida que vem de Deus para todo ser-humano. Na unidade de vida com o Ele, inclusive na cruz, os discípulos encontram a realização do lugar querido por Deus para a humanidade.
O tempo pascal frisa profundamente o testemunho. Seguir o Cristo de perto, conformando nossas vidas à dele, crescendo rumo à plenitude de vida que é unidade fraterna entre nós e com a Trindade. Aproveite este tempo pascal para firmar os passos nos caminhos redentores do Cristo, e mais, percebendo quais são os lugares nos quais você é chamado a dar testemunho do Cristo com seus gestos e palavras.


--
P.e Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Santo do dia - Santa Catarina de Sena

Catarina era apenas uma irmã leiga da Ordem Terceira Dominicana. Mesmo
analfabeta, talvez tenha sido a figura feminina mais impressionante do
cristianismo do segundo milênio. Nasceu em 25 de março de 1347, em
Sena, na Itália. Seus pais eram muito pobres e ela era uma dos vinte e
cinco filhos do casal. Fica fácil imaginar a infância conturbada que
Catarina teve. Além de não poder estudar, cresceu franzina, fraca e
viveu sempre doente. Mas, mesmo que não fosse assim tão debilitada,
certamente a sua missão apostólica a teria fragilizado. Carregava no
corpo os estigmas da Paixão de Cristo.

Desejando seguir o caminho da perfeição, aos sete anos de idade
consagrou sua virgindade a Deus. Tinha visões durante as orações
contemplativas e fazia rigorosas penitências, mesmo contra a oposição
familiar. Aos quinze anos, Catarina ingressou na Ordem Terceira de São
Domingos. Durante as orações contemplativas, envolvia-se em êxtase, de
tal forma que só esse fato possibilitou que convertesse centenas de
almas durante a juventude. Já adulta e atuante, começou por ditar
cartas ao povo, orientando suas atitudes, convocando para a caridade,
o entendimento e a paz. Foi então que enfrentou a primeira dificuldade
que muitos achariam impossível de ser vencida: o cisma católico.

Dois papas disputavam o trono de Pedro, dividindo a Igreja e fazendo
sofrer a população católica em todo o mundo. Ela viajou por toda a
Itália e outros países, ditou cartas a reis, príncipes e governantes
católicos, cardeais e bispos, e conseguiu que o papa legítimo, Urbano
VI, retomasse sua posição e voltasse para Roma. Fazia setenta anos que
o papado estava em Avignon e não em Roma, e a Cúria sofria influências
francesas.

Outra dificuldade, intransponível para muitos, que enfrentou
serenamente e com firmeza, foi a peste, que matou pelo menos um terço
da população européia. Ela tanto lutou pelos doentes, tantos curou com
as próprias mãos e orações, que converteu mais algumas centenas de
pagãos. Suas atitudes não deixaram de causar perplexidade em seus
contemporâneos. Estava à frente, muitos séculos, dos padrões de sua
época, quando a participação da mulher na Igreja era quase nula ou
inexistente.

Em meio a tudo isso, deixou obras literárias ditadas e editadas de
alto valor histórico, místico e religioso, como o livro "Diálogo sobre
a Divina Providência", lido, estudado e respeitado até hoje. Catarina
de Sena morreu no dia 29 de abril de 1380, após sofrer um derrame aos
trinta e três anos de idade. Sua cabeça está em Sena, onde se mantém
sua casa, e seu corpo está em Roma, na Igreja de Santa Maria Sopra
Minerva. Foi declarada "doutora da Igreja" pelo papa Paulo VI em 1970.

--
Fonte: http://www.paulinas.org.br/diafeliz/santo.aspx?Dia=29&Mes=4

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Hokmah - 7

"Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,que estão diante
de cada janela,uns dizem que essas coisas não existem,outros que só
existem diante das minhas janelas, e outros finalmente, que é preciso
aprender a olhar, para poder vê-las assim..."

Cecília Meireles

Santo do dia - São Pedro Chanel

Pedro nasceu no dia 12 de julho de 1803, na pequena Cuet, França.
Levado pelas mãos do zeloso pároco, iniciou os estudos no seminário
local e, em 1824, foi para o de Bourg, onde três anos depois se
ordenou sacerdote.

Desde jovem, queria ser missionário evangelizador, mas primeiro teve
de trabalhar como pároco de Amberieu e Gex, pois havia carência de
padres em sua pátria. Juntou-se a outros padres que tinham a mesma
vocação e trabalhavam sob uma nova congregação, a dos maristas, dos
quais foi um dos primeiros membros, e logo conseguiu embarcar para a
Oceania, em 1827, na companhia de um irmão leigo, Nicézio.

Foi um trabalho lento e paciente. Os costumes eram muito diferentes, a
cultura tão antagônica à do Ocidente, que primeiro ele teve de
entender o povo para depois pregar a palavra de Cristo. Porém, assim
que iniciou a evangelização, muitos jovens passaram a procurá-lo. O
trabalho foi se expandindo e, logo, grande parte da população havia se
convertido.

Ao perceber que vários membros de sua família haviam aderido ao
cristianismo, Musumuso, o genro do cacique, matou Pedro Chanel a
bordoadas de tacape. Era o dia 28 de abril de 1841.

Foi o fim da vida terrestre para o marista, entretanto a semente que
plantara, Musumuso não poderia matar. Quando o missionário Pedro
Chanel desembarcou na minúscula ilha de Futuna, um fragmento das ilhas
Fiji entre o Equador e o Trópico de Capricórnio, não se pode dizer que
o lugar fosse um paraíso.

A pequena ilha é dividida em duas por uma montanha central, e cada
lado era habitado por uma tribo, que vivia em guerra permanente, uma
contra a outra. Hoje o local é, sim, um paraíso para os milhares de
turistas que a visitam anualmente e para a população, que é totalmente
católica e vive na paz no Senhor.

E se hoje é assim, muito se deve à semente plantada pelo trabalho de
Pedro Chanel, que por esse ideal deu seu testemunho de fé. O novo
mártir cristão foi beatificado em 1889 e inscrito no Martirológio
Romano em 1954, sendo declarado padroeiro da Oceania.

fonte: http://www.paulinas.org.br/diafeliz/santo.aspx?Dia=28&Mes=4

Hokmah -6

Voltamos com a série "Hokmah". Hoje, frase de Santo Afonso Maria de Ligório:

"Quisera ser como a abelha que pousa na flor de cada livro, até tirar dele todo proveito. Quero que a leitura me abra sempre à oração e quero dizer-te sempre: 'Fala, Senhor, que teu servo escuta'."

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Fotos...

É impossível ver estas pequenas coisas e não encontrar Deus.

--
P.S.: Foto tirada nesta manhã nos jardins da igreja de Carrancas.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Em Carrancas... (2)

Caminheiros:

Mais algumas fotos desta bela igreja. Fiquem com Deus! Tenham todos uma boa e bem vivida Semana Santa!
Durante os próximos dias, outras fotos aparecerão.

Pe. Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

domingo, 17 de abril de 2011

Em Carrancas...

Amigos:

Estou em Carrancas - MG pregando os sermões de Semana Santa. Algumas fotos desta bela igreja. Durante a semana, fotos do povo e da cidade. Abraços.
--
P.e Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

P.S.: Estas fotos foram feitas por mim. No interior da igreja não utilizei flash, apenas a iluminação do próprio templo. Consciência de conservação do patrimônio histórico: cultivemos esta idéia!

sábado, 9 de abril de 2011

Cecília Meireles - Cantar

Cantar de beira de rio:
água que bate na pedra,
pedra que não dá resposta.

Noite que vem por acaso,
trazendo nos lábios negros
o sonho de que se gosta.

Pensamento do caminho
pensando o rosto da flor
que pode vir, mas não vem.

Passam luas - muito longe
estrelas - muito impossíveis,
nuvens sem nada, também.

Cantar de beira de rio:
o mundo coube nos olhos,
todo cheio, mas vazio.

A água pelo campo,
mas o campo era tão triste...
Ai!
Cantar de beira de rio.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Versículo bíblico...


"Pelo batismo na sua morte, fomos sepultados com ele, para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim também nós levemos uma vida nova."

Rm 6,4

Hokmah - 5

Há pensamentos que são orações. Há momentos nos quais, seja qual for a posição do corpo, a alma está de joelhos.

Victor Hugo
literato francês

Hokmah - 4

O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.

Fernando Sabino

Hokmah - 3

Se eu gosto de poesia?
Gosto de gente, bichos, plantas, lugares, chocolate, vinho, papos amenos, amizade, amor.
Acho que a poesia está contida nisso tudo.

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 5 de abril de 2011

Hokmah - 2

"... Por todos estes motivos o homem tende ao Cristo, com a sua natureza, com a sua vontade, com o seu pensamento, não só pela divindade do Cristo, que é o fim de todas as coisas, mas ainda pela sua humanidade: no Cristo o amor do homem encontra repouso, o Cristo é a delícia de seus pensamentos."

Nicolau Cabasilas (La vita in Cristo. Roma: Cittá Nuova Editrice, 2005)
Teólogo cristão do século XIV,
um dos maiores nomes da
teologia do Oriente.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Hokmah - 1

Iniciamos mais uma série de tópicos em nosso blog. Ela se chamará hokmah, do hebraico que quer dizer sabedoria. Trata-se de um saber que nasce da vida, do saborear o ritmo das coisas e aprender. Assim, aproveitarei este espaço para publicar pequenas coisas que leio e escuto aqui e ali. Fica também aberto o espaço para que você, caro amigo leitor, envie sua contribuição. Partilhemos da vida e cresçamos em comunhão.


"Todas as etapas da vida têm a sua beleza, como as estações do ano ou os vários momentos do dia: o alvorecer que desperta a natureza e a envolve com a sua luz, a manhã animada e agitada, a tarde carregada de luz, o tranqüilo ocaso que recolhe os pensamentos do dia inteiro."

Guiseppe Colombero (Vida religiosa: da convivência à fraternidade)

Versículo bíblico...

"Um amigo fiel é um bálsamo vital"
Eclo 6,16

domingo, 3 de abril de 2011

Recomendo...

Deliciando-me estes dias com os DVD's do Grupo Ponto de Partida:

- Pra nhá Terra (com Meninos de Araçuaí)
- Ser minas Tão Gerais (com Milton Nascimento e Meninos de Araçuaí)

Vale a pena assistir...

O Nosso Centro - Thomas Merton


No centro de nosso ser,
existe um ponto como que vazio,
intocado pelo pecado e pela ilusão,
um ponto de pura verdade,
um ponto, uma centelha que
pertence inteiramente a Deus...
Este pontinho "de nada"
e de absoluta pobreza
é a pura glória de Deus em nós...
É como um diamante puríssimo,
a brilhar na luz invisível do céu.
Isso existe em todos os seres humanos,
e, se pudéssemos vê-lo, veríamos
esses milhões de pontos de luz a
ajuntar-se na face e no ardor de
um sol que faria desaparecer
completamente toda a escuridão
e toda a crueldade da vida.

Voltando...

Depois de um período bom de adaptação, vou retornando aos trabalhos aqui no blog. Caminhemos...